Vitiligo

Dermatose caracterizada pela despigmentação da pele, formando manchas brancas, de vários tamanhos, bordas bem delimitadas, que podem se localizar em qualquer parte do corpo, inclusive nas mucosas e nos cabelos. As manchas de vitiligo não são contagiosas e nem apresentam sintomas como coceira, mas podem causar problemas relacionados à autoestima e convívio social.

A causa da doença ainda é desconhecida. Uma das hipóteses é que o vitiligo possa ser uma doença autoimune, em que o próprio sistema imunológico da pessoa ataca e destrói os melanócitos, células que produzem o pigmento que dá cor à pele (melanina).

Ocorre em cerda de 1% da população e, em 30% dos casos, há ocorrência familiar. Eventualmente, o vitiligo surge após traumas ou queimaduras solares.

O vitiligo pode ser segmentar ou unilateral (manifesta-se apenas uma parte do corpo) e não segmentar ou bilateral (tipo mais comum; manifesta-se nos dois lados do corpo)

O diagnóstico é clínico a partir do histórico do paciente e exame minucioso das lesões. Em casos duvidosos, a lesão pode ser biopsiada e enviada para exame anátomo-patológico para confirmação diagnóstica.

Dentre as opções terapêuticas está o uso de medicamentos como psoralênicos, corticoides e imunomoduladores. Também pode-se empregar tecnologias como o laser, fototerapia, assim como técnicas de cirúrgicas ou de transplante de melanócitos.